sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Sensação de abandono, de perda, de inferioridade
Enquanto um acorde de música triste toca ao fundo
lágrimas passam por mim, sem dar muita importância,
nem mesmo diz aonde vai.

Na minha cabeça, emaranhados de linhas
em cores acinzentadas como dia de inverno,
encobre cada momento de minhas lembranças.
Perdedora em tudo que faz, em tudo que almeja.

O futuro agora, são nuvens atormentadas
como a de uma boa tempestade.
E meu presente, tão atormentado quanto o futuro
e por enquanto, não se vê terra à vista.



Um comentário:

Mailson Furtado Viana disse...

Grande nostalgia...

Viagem grande eu fiz nas suas linhas.